Como aumentar a fertilidade do rebanho: o primeiro passo

Em qualquer criação, a reprodução é peça fundamental para o sucesso ou fracasso. É com a reprodução que começamos o ciclo produtivo do rebanho e de onde vão sair os resultados: produção de leite, de cordeiros, de cabritos

E coisas simples são fundamentais para o sucesso da atividade: não vamos pensar em inseminação artificial, sincronização de cio, flushing ou outra técnica qualquer. Vamos pensar no básico, para iniciar? Depois que o básico está feito, aí sim as outras técnicas dão resultado.

FERTILIDADE – palavra que todo produtor gosta e quer ver resultado. Mas como alcançar o máximo?

O máximo que vamos alcançar de fertilidade num rebanho é 100%, ou seja, se eu tenho 50 cabras ou ovelhas, e colocar elas em cobertura, e TODAS ficarem prenhes, terei 100% de fertilidade. A cada uma que falhar, não “agarrar cria”, a taxa diminui. E o que queremos? Uma taxa mais próxima do 100% possível…

Antes de pensar em técnicas avançadas, voltemos para o básico. Aquela ovelha ou cabra que não pariu no último ano, onde está?

Se a resposta foi “não existe mais”, parabéns! Agora, se a resposta foi “continua ali no rebanho”, sinto informar que existe resposta MELHOR! 😉

Uma fêmea que não pega cria nas mesmas condições em que a grande maioria está prenhe (ou seja, a maioria teve as mesmas chances e emprenhou), só nos mostra uma coisa: tem alguma coisa “diferente” com ela. Uma das opções é ela ter baixa fertilidade: necessita de mais montas do macho para emprenhar. E essa característica, de baixa fertilidade, é herdável, ou seja, passa para os filhotes. O que é diferente de INFERTILIDADE, onde a ovelha ou a cabra não tem condições de produzir um filhote. Essa é a mais fácil de identificar e mais fácil de descartar. O problema são as que tem subfertilidade (ou baixa fertilidade), que um ano dá cria, no outro não, e vai ficando no rebanho e “multiplicando” animais com subfertilidade.

A primeira atitude a tomar é descartar esses animais. Não deu cria? Descarta e coloca uma fêmea jovem, filha de uma ovelha ou cabra com boa fertilidade, no lugar. Só essa simples atitude vai aumentar a taxa de fertilidade do rebanho. E com o tempo, descartando animais subférteis, a taxa de fertilidade do rebanho se manterá alta

Já peguei rebanho onde, historicamente, 30% das ovelhas não davam cria. Mas elas continuavam lá, ninguém identificava e no próximo ano, se não fossem descartadas por velha, entravam de novo no lote de cobertura. E novamente, cerca de 30% das ovelhas não davam cria.

Basta uma conta muito simples: se eu tenho 100 ovelhas, e 30 delas não dão cria, terei 70 cordeiros (pensando baixo, para facilitar a conta). Não era mais fácil eu ter só 70 ovelhas para dar os mesmos 70 cordeiros??? Menos gastos, menos comida e melhor resultado. (OK, depois vamos aumentar ainda mais o número de filhotes, mas daremos um passo de cada vez…)

Se eu descartar as 30 falhadas, ficarei nesse ano com as 70 (posso até descartar um ou outra por outros motivos), e coloco uma borregas (marrãs, novilhas) para cria. Tá, já entendi, o rebanho diminuiu… sim, mas a previsão é que a produção seja a mesma…

E assim vou fazendo, ano a ano, sempre ficando com animais mais férteis (e, principalmente, multiplicando essa genética de alta fertilidade) e eliminando do rebanho as menos férteis…

Viu como uma atitude simples, que não requer investimento de dinheiro (apenas de tempo e vontade, para identificar as falhadas), pode começar a mudar os resultados?

Se eu fizer sempre a mesma coisa, como posso esperar um resultado diferente?

Bom, agora que o básico já está feito, podemos começar a pensar adiante e melhorar ainda mais os resultados (em dinheiro, em eficiência, em ver a atividade progredir)…

 

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link:

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

“Efeito Macho” – como utilizar o bode ou o carneiro para sincronizar o cio das fêmeas

Você sabia que o carneiro ou o bode pode ser utilizado para sincronizar o cio das ovelhas e das cabras? É uma forma barata de fazer com que elas venham a parir concentradas (com poucos dias de diferença), facilitando o manejo com os filhotes, inclusive.

Já ouviu falar em EFEITO MACHO? É uma técnica simples, que não exige gastos. O resultado? As fêmeas entram em cio quase todas na mesma época, com pequena diferença de dias… outra forma possível de sincronização é a utilização de hormônios.

 

Na prática, o que precisa ser feito é o seguinte: separar as fêmeas do contato com machos (não podem ver, ouvir nem sentir o cheiro deles), por um período de 60 dias (existem trabalhos que demonstram que menos tempo também tem seu efeito). Numa pequena propriedade, isso nem sempre é possível…

Depois dessa “separação”, ao colocar o bode em contato com as cabras ou o carneiro com as ovelhas, a tendência é que as fêmeas sincronizem o cio. O que isso significa? Ao invés delas entrarem em cio aos poucos, como seria normal (as ovelhas ao longo +- 16 e as cabras +- 21 dias), a maioria entrará em cio em questão de poucos dias. Se forem cobertas com poucos dias de diferença, essa concentração também terá efeito na parição (cerca de 70 – 80% das fêmeas podem a parir num intervalo de dez dias).

Esse manejo funciona para fêmeas que estejam ciclando (entrando em cio normalmente) ou para aquelas que já estão próximas de voltar a apresentar cio. Para ovelhas e cabras que estejam no meio do período de anestro (regiões/raças que param de entrar em cio numa determinada época do ano), não vai funcionar.

E para que serve? Dependendo do manejo e da propriedade, pode ser interessante para ter um melhor controle na época da parição, por exemplo. Pois ao invés de ter partos espalhados ao longo de várias semanas, teremos um grande volume de partos em poucos dias, podendo facilitar os cuidados.

Qual o cuidado? Devo ter machos suficientes para garantir a fertilidade (não posso usar a mesma proporção de machos que usaria se a cobertura não fosse concentrada), ou seja, terei que usar um número maior de carneiros / bodes. Além disso, preciso avaliar se os nascimentos concentrados serão bons para o meu manejo. Se os partos acontecem em um espaço do galpão, por exemplo, não posso ter mais ovelhas / cabras parindo do que cabem nesse espaço, ou no piquete de parição.

Agora, se após analisar tudo isso ainda acho que vale a pena usar essa “ferramenta” de manejo, mãos à obra. Basta colocar no planejamento para a próxima estação de cobertura!

Quer saber mais? Dá uma lida nesse Artigo:

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

Quem é o responsável por partos de gêmeos? A fêmea ou o macho?

Para aumentar a produção de cordeiros e cabritos, é importante que tenhamos gêmeos no rebanho. Quanto mais cabritos e cordeiros nascerem, das mesmas mães, mais produtos teremos para vender… Isto é matemática. Se uma fêmea parir 2 ou 3 filhotes, maior é a minha produção sem a necessidade de aumentar o rebanho.

Mas para que o número de partos gemelares (nascimento de gêmeos) no rebanho seja grande, há dois fatores importantes: a genética e a nutrição.

A genética começa pela matriz (a fêmea): é ela que determina se, naquela parição, vai produzir 1, 2, 3 filhotes (ou mais). Alguns pensam que é o macho, mas é a fêmea a responsável pela ovulação, e ela é que vai determinar se terá 1 ou mais óvulos. O macho não afeta na produção diretamente (ele num salto, libera milhões de espermatozóides). Mas o carneiro e o bode são importantes, dentro do rebanho, para passar a “genética de gêmeos” para as filhas dele. Não afetam na produção atual, mas afetarão nas produções futuras.

Para aumentar o número de partos gemelares no rebanho, é importante selecionar além das ovelhas/cabras que pariram gêmeos, as filhas delas. Pois tem grande chance de carregarem essa “genética” de partos múltiplos. E utilizar reprodutores (machos) nascidos de parto duplo, pois tem grande chance de ter a genética e passar para as filhas…

A partir daí, a nutrição é que vai deixar a genética se expressar. Ou seja, não adianta ter a genética no rebanho se na hora da cobertura as fêmeas estiverem em baixas condições alimentares (baixa condição corporal).

Quer entender melhor como funciona? Dá uma olhada no vídeo:

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

Castrar ou não castrar, eis a questão…

Muitas são as dúvidas na criação de ovinos e caprinos. Uma delas é sobre o manejo com os machos, nos rebanhos comerciais: castrar ou não castrar os machinhos… Não existe regra nem o que é melhor ou pior, cada propriedade e sistema de produção vai definir se é melhor castrar ou deixar os animais inteiros (sem “capar”).

Nossa ideia é auxiliar na tomada de decisão, ou seja, ajudar a pensar se para o seu sistema o melhor é castrar ou não…

Se a ideia é abater/carnear o animal jovem, com até 6-7 meses (em algumas raças ou regiões, até um pouco mais tarde), não há necessidade de castrar. Mas se não tiver certeza que conseguirá até esse prazo, o ideal seria castrar já novinho.

Vários são os motivos que acabam fazendo com que os produtores castrem os machinhos:

  • facilita o manejo (dá para deixar junto das fêmeas, sem preocupação de emprenhar quem não deve);
  • às vezes a ideia é vender jovem, mas acontecem alguns problemas na criação e acaba atrasando o desenvolvimento. Se os machinhos estão inteiros podem já começar a puberdade e a “montar” uns nos outros, ficando agitados e impedindo que ganhem peso e depositem gordura de acabamento;
  • em raças com mais dificuldade de depositar gordura, castrar facilita a terminação (ter gordura subcutânea ideal para o abate – apesar da maioria não gostar de “graxa”, é importante a carcaça ter cobertura de gordura para que não fique azulada no resfriamento…). Afinal, ninguém quer comprar carne azul, certo? 😉

No vídeo a seguir, fizemos um esquema para auxiliar na decisão, com pontos importantes a avaliar.

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

A importância do chifres na reprodução dos caprinos

O sonho de trabalhar só com caprinos mochos (sem chifres/guampas) acompanha a maioria dos criadores, principalmente aqueles voltados para a produção de leite. E o mochamento (retirada dos chifres, mesmo que só o botão), realizado nos cabritinhos bem novos, é uma prática comum nos criatórios. Mas então por que não utilizamos só animais mochos (que já nascem com o gene para não ter chifres)? Se só cruzarmos cabras e bodes sem chifres, a grande maioria dos cabritinhos nasceriam mochos… Seria perfeito, se não fosse um detalhe: animais mochos, se homozigotos, são inférteis ou subférteis.

Para não ter problemas de fertilidade, basta que um dos pais (a cabra ou o bode), tenham chifres. Como é mais fácil controlar pelo bode, e ele deixa muito mais filhotes que uma cabra normalmente, é que indicamos que o bode sempre seja aspado /chifrudo.

No artigo abaixo, tem todas as explicações do porquê isso acontece.

 

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2