Brasil

Cashmere mais fina do mundo é produzida com pelo de cabras brasileiras

A fibra de cashmere é uma fibra com alto fator de conforto utilizada na produção de moda de luxo e é produzida tradicionalmente na China, Nepal, Mongólia, Afeganistão, Himalaia e Irã. Mas a pesquisadora Lia Souza Coelho, descobriu que a cashmere produzida com pelo de cabras brasileiras é a mais fina e de melhor qualidade do mundo.
Divulgação
É uma fibra produzida somente por caprinos e é produzida em maior quantidade por cabras da raça Cashmere, podendo ser encontrada em cabras de outras raças. A qualidade da fibra de cashmere é determinada pelo comprimento, textura, cor e diâmetro médio da fibra fina. Entretanto, a avaliação da qualidade da fibra de cashmere brasileira ainda não havia sido feita.

Em meados de 2013 foram encontrados caprinos com produção de fibra de cashmere no interior do Rio de Janeiro. Em 2014 foi realizado o primeiro registro oficial de que caprinos nascidos no Brasil eram capazes de produzir fibra fina com características morfológicas idênticas as fibras de cashmere encontradas nas raças Cashmere na China.

As fibras de cashmere brasileira tem como diferencial o diâmetro médio de 8,46µm nas raças Boer e Alpina e mestiços destas raças e 13,6 µm na raça Saanen, sendo considerada a fibra de cashmere mais fina do mundo. Para o mercado de moda, ter uma fibra tão fina e com qualidade de conforto ao toque e conforto térmico de 99,6%, é uma inovação para o mercado de têxteis de qualidade.

A pesquisa foi realizada pela Drª. Lia Coelho que na época da pesquisa se encontrava como doutoranda da UFRRJ. O seu olhar mais refinado para o potencial que a fibra poderia ter no nível da pesquisa e também do mercado, a fascinou. Assim, foi projetado de forma consciente metas de onde o projeto poderia alcançar (produzir o primeiro fio e tecido de cashmere brasileira) e futuramente ter a cashmere brasileira em peças no Brasil. O projeto teve o apoio da Abit e do Senai Cetiqt e financiamento próprio para a execução das etapas que foram propostas.

Os benefícios ecológicos da fibra de cashmere são: natural, renovável, sustentável, biodegradável, baixo impacto de carbono, energia eficiente. As fibras de pelo são um dos recursos mais sustentáveis da terra; pois anualmente é retirada e depois cresce. O projeto constrói resiliência em longo-prazo, gerando oportunidades econômicas e de negócios para os produtores rurais e para a indústria têxtil, e proporciona benefícios ambientais e sociais para as comunidades e a utilização da fibra que é um produto naturalmente produzido.

A quantidade de fibra de cashmere disponível para suprir a demanda global da indústria têxtil é limitada apenas pelo número de caprinos criados para este propósito. E assim o Brasil possuindo 9.780.533 milhões de cabeças de caprinos (IBGE, 2016) em dados de animais registrados, podendo alcançar números maiores de animais não registrados, pode chegar a ser uma potência na produção de cashmere mundial.

O projeto Cashmere Brasileira tem como impactos socioeconômicos o crescimento das criações e aumento da renda do produtor rural com a diversificação da produção de caprinos no Brasil, além de promover internacionalmente o mercado têxtil nacional.

O projeto contou com a investigação dos locais onde a fibra de cashmere estaria ocorrendo no Brasil. Foram visitadas cidades do Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil com catalogação e registro da qualidade das fibras em diferentes raças e diferentes regiões climáticas. A pesquisadora encontrou no Brasil exemplares de caprinos das raças Saanen, Alpina, Boer, Savanna puras e de diferentes níveis genéticos e animais sem raça definida produzindo cashmere.

Hoje o projeto vem procurando empresas apoiadoras para montar a base da cadeia produtiva com a mobilização dos produtores e a produção de estrutura de laboratório para as análises da fibra no Brasil.

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link:

http://bit.ly/zapcapril

Notícia adaptada pela Equipe Capril Virtual com informações Blog Stylo Urbano (09/09/2018)