Como aumentar a fertilidade do rebanho: o primeiro passo

Em qualquer criação, a reprodução é peça fundamental para o sucesso ou fracasso. É com a reprodução que começamos o ciclo produtivo do rebanho e de onde vão sair os resultados: produção de leite, de cordeiros, de cabritos

E coisas simples são fundamentais para o sucesso da atividade: não vamos pensar em inseminação artificial, sincronização de cio, flushing ou outra técnica qualquer. Vamos pensar no básico, para iniciar? Depois que o básico está feito, aí sim as outras técnicas dão resultado.

FERTILIDADE – palavra que todo produtor gosta e quer ver resultado. Mas como alcançar o máximo?

O máximo que vamos alcançar de fertilidade num rebanho é 100%, ou seja, se eu tenho 50 cabras ou ovelhas, e colocar elas em cobertura, e TODAS ficarem prenhes, terei 100% de fertilidade. A cada uma que falhar, não “agarrar cria”, a taxa diminui. E o que queremos? Uma taxa mais próxima do 100% possível…

Antes de pensar em técnicas avançadas, voltemos para o básico. Aquela ovelha ou cabra que não pariu no último ano, onde está?

Se a resposta foi “não existe mais”, parabéns! Agora, se a resposta foi “continua ali no rebanho”, sinto informar que existe resposta MELHOR! 😉

Uma fêmea que não pega cria nas mesmas condições em que a grande maioria está prenhe (ou seja, a maioria teve as mesmas chances e emprenhou), só nos mostra uma coisa: tem alguma coisa “diferente” com ela. Uma das opções é ela ter baixa fertilidade: necessita de mais montas do macho para emprenhar. E essa característica, de baixa fertilidade, é herdável, ou seja, passa para os filhotes. O que é diferente de INFERTILIDADE, onde a ovelha ou a cabra não tem condições de produzir um filhote. Essa é a mais fácil de identificar e mais fácil de descartar. O problema são as que tem subfertilidade (ou baixa fertilidade), que um ano dá cria, no outro não, e vai ficando no rebanho e “multiplicando” animais com subfertilidade.

A primeira atitude a tomar é descartar esses animais. Não deu cria? Descarta e coloca uma fêmea jovem, filha de uma ovelha ou cabra com boa fertilidade, no lugar. Só essa simples atitude vai aumentar a taxa de fertilidade do rebanho. E com o tempo, descartando animais subférteis, a taxa de fertilidade do rebanho se manterá alta

Já peguei rebanho onde, historicamente, 30% das ovelhas não davam cria. Mas elas continuavam lá, ninguém identificava e no próximo ano, se não fossem descartadas por velha, entravam de novo no lote de cobertura. E novamente, cerca de 30% das ovelhas não davam cria.

Basta uma conta muito simples: se eu tenho 100 ovelhas, e 30 delas não dão cria, terei 70 cordeiros (pensando baixo, para facilitar a conta). Não era mais fácil eu ter só 70 ovelhas para dar os mesmos 70 cordeiros??? Menos gastos, menos comida e melhor resultado. (OK, depois vamos aumentar ainda mais o número de filhotes, mas daremos um passo de cada vez…)

Se eu descartar as 30 falhadas, ficarei nesse ano com as 70 (posso até descartar um ou outra por outros motivos), e coloco uma borregas (marrãs, novilhas) para cria. Tá, já entendi, o rebanho diminuiu… sim, mas a previsão é que a produção seja a mesma…

E assim vou fazendo, ano a ano, sempre ficando com animais mais férteis (e, principalmente, multiplicando essa genética de alta fertilidade) e eliminando do rebanho as menos férteis…

Viu como uma atitude simples, que não requer investimento de dinheiro (apenas de tempo e vontade, para identificar as falhadas), pode começar a mudar os resultados?

Se eu fizer sempre a mesma coisa, como posso esperar um resultado diferente?

Bom, agora que o básico já está feito, podemos começar a pensar adiante e melhorar ainda mais os resultados (em dinheiro, em eficiência, em ver a atividade progredir)…

 

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link:

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

Quem é o responsável por partos de gêmeos? A fêmea ou o macho?

Para aumentar a produção de cordeiros e cabritos, é importante que tenhamos gêmeos no rebanho. Quanto mais cabritos e cordeiros nascerem, das mesmas mães, mais produtos teremos para vender… Isto é matemática. Se uma fêmea parir 2 ou 3 filhotes, maior é a minha produção sem a necessidade de aumentar o rebanho.

Mas para que o número de partos gemelares (nascimento de gêmeos) no rebanho seja grande, há dois fatores importantes: a genética e a nutrição.

A genética começa pela matriz (a fêmea): é ela que determina se, naquela parição, vai produzir 1, 2, 3 filhotes (ou mais). Alguns pensam que é o macho, mas é a fêmea a responsável pela ovulação, e ela é que vai determinar se terá 1 ou mais óvulos. O macho não afeta na produção diretamente (ele num salto, libera milhões de espermatozóides). Mas o carneiro e o bode são importantes, dentro do rebanho, para passar a “genética de gêmeos” para as filhas dele. Não afetam na produção atual, mas afetarão nas produções futuras.

Para aumentar o número de partos gemelares no rebanho, é importante selecionar além das ovelhas/cabras que pariram gêmeos, as filhas delas. Pois tem grande chance de carregarem essa “genética” de partos múltiplos. E utilizar reprodutores (machos) nascidos de parto duplo, pois tem grande chance de ter a genética e passar para as filhas…

A partir daí, a nutrição é que vai deixar a genética se expressar. Ou seja, não adianta ter a genética no rebanho se na hora da cobertura as fêmeas estiverem em baixas condições alimentares (baixa condição corporal).

Quer entender melhor como funciona? Dá uma olhada no vídeo:

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

Raça Ile de France – papel da raça na ovinocultura, a mulher na ovinocultura e a Associação

No último vídeo da série Raças no Brasil – ILE DE FRANCE, fizemos um resumo do que a raça traz de benefícios para a cadeia da ovinocultura.

Também temos a participação da mulher na atividade com o prêmio Cabanheira do Ano, instituído pala ABCIF – Associação Brasileira de Criadores de Ile de France.

Para finalizar, com a palavra, o presidente da ABCIF.

Agradecemos de coração a ABCIF por ter “comprado” a ideia e ao Rafael e Denise Paim e a família Maggi (José Otávio, Virgínia e Gabriel) pela disponibilidade e por fazerem nosso projeto virar realidade.

É apenas o início. Aguarde os próximos vídeos!

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

Uma boa mãe cuida do seu filhote

Já reparou o comportamento de uma mãe com seu filhote? Como ela cuida dele?

Além de parir (dar cria), ter leite suficiente para alimentar o filhote, uma boa mãe precisa ser cuidadosa, estar sempre atenta. Esse comportamento aumenta a sobrevivência da cria. Um cabrito ou cordeiro indefeso, sem a mãe por perto, além de poder se perder do rebanho (no caso de propriedades maiores), pode também servir de “refeição” para um predador.

No vídeo, é possível observar uma ovelha que deu cria há pouco tempo e, mesmo acompanhando o rebanho, caminha um pouco mas espera para ver se o cordeirinho está por perto.

É importante ficar atento ao comportamento dessa ovelha ou cabra, pois comportamento materno também é genético e pode ser selecionado (ou no caso, descartado por não cuidar da cria).

Claro que não é uma regra, até porque em alguns casos, como em rebanhos leiteiros, principalmente em caprinos onde é feito o controle do vírus da CAE (Artrite Encefalite Caprina), o cabrito já é separado da cabra após o nascimento. Outros fatores também podem fazer uma ovelha ou cabra abandonar o filhote: baixa condição corporal (estar muito magra), parto difícil e animal de primeira cria.

Podemos ter mais um critério para selecionar e assim melhorar nosso rebanho! 😉

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2

Fique com o que é bom. Descarte o que não serve


É comum o descarte de animais somente pelos “dentes”, ou seja, descarte de fêmeas/ matrizes somente pela idade. A cada ano, o produtor seleciona as ovelhas ou cabras que ficarão no rebanho pelas mais novas, descartando as mais velhas. Isso é certo? É errado?

Sim e sim. É certo descartar animais com dentes muito gastos, pois terão dificuldades para se alimentar e produzir no próximo ano. E sim, não é recomendado selecionar o descarte SÓ pelos dentes.

Por que? Se usarmos somente os dentes como critério de seleção, nosso rebanho e nossa produção tende a permanecer igual, pois não selecionaremos os melhores para multiplicar e melhorar ainda mais a produção. E nem descartaremos os piores animais, e estes continuarão a ser multiplicados (permanecerão na cria) e não melhoraremos a produção. Ou seja, é perda de tempo e de dinheiro. Podemos ganhar mais se também selecionarmos nosso rebanho para produção.

No vídeo a seguir, usamos um modelo que utilizamos no Borregãonossa Consultoria em Pecuária (conheça nossos serviços –  www.borregao.com.br )

 

Gostou? Se quiser receber por WhatsApp as Dicas do Capril Virtual e outras novidades relacionadas a Ovinos e Caprinos, basta se cadastrar gratuitamente no link

https://goo.gl/forms/OVyPecCwOjxY2VXA2