Uma boa mãe cuida do seu filhote

Já reparou o comportamento de uma mãe com seu filhote? Como ela cuida dele?

Além de parir (dar cria), ter leite suficiente para alimentar o filhote, uma boa mãe precisa ser cuidadosa, estar sempre atenta. Esse comportamento aumenta a sobrevivência da cria. Um cabrito ou cordeiro indefeso, sem a mãe por perto, além de poder se perder do rebanho (no caso de propriedades maiores), pode também servir de “refeição” para um predador.

 

No vídeo, é possível observar uma ovelha que deu cria há pouco tempo e, mesmo acompanhando o rebanho, caminha um pouco mas espera para ver se o cordeirinho está por perto.

É importante ficar atento ao comportamento dessa ovelha ou cabra, pois comportamento materno também é genético e pode ser selecionado (ou no caso, descartado por não cuidar da cria).

Claro que não é uma regra, até porque em alguns casos, como em rebanhos leiteiros, principalmente em caprinos onde é feito o controle do vírus da CAE (Artrite Encefalite Caprina), o cabrito já é separado da cabra após o nascimento. Outros fatores também podem fazer uma ovelha ou cabra abandonar o filhote: baixa condição corporal (estar muito magra), parto difícil e animal de primeira cria.

Podemos ter mais um critério para selecionar e assim melhorar nosso rebanho! 😉

Raça Ile de France – gene Vacaria e seu impacto na produção, dúvidas sobre a raça e o papel da ABCIF

No vídeo de hoje, falamos sobre o Gene Vacaria, que foi identificado pela Embrapa e que confere ao rebanho um número maior de partos múltiplos, aumentando a produção de cordeiros. Se bem trabalhado, pode gerar mais renda para o produtor, aumentando a produtividade.

Também tiramos dúvidas sobre a raça, como o fato de respeitar cercas, se tem ou não mais problemas de casco e se é uma raça rústica ou mais exigente. Confere no vídeo.

O que a ABCIF tem feito pelos associados e qual o benefício de fazer parte da “família Ile de France”.

O vídeo foi realizado em parceria com a ABCIF – Associação Brasileira de Criadores de Ile de France.

No próximo vídeo, falaremos sobre o papel da mulher na atividade e o que a raça Ile de France pode auxiliar na ovinocultura.  Acompanhe!

Raça Ile de France – pigmentação, qualidade da lã e cruzamentos

No terceiro vídeo da Série Raças no Brasil – ILE DE FRANCE, acompanhe mais sobre o padrão racial, como peso e cascos. Saiba também quais as vantagens do cruzamento com o Ile de France, a raça que tem uma das melhores qualidades de lã entre as raças de carne, além de ter uma época de parição mais prolongada, motivo pelo qual tem sido muito procurada para cruzamento em propriedades que trabalham com lavoura de soja (e tem pastagem de inverno no cedo, gerando melhor aproveitamento da mesma).

Tem dúvidas sobre o peso ao nascer dos cordeiros e se há problemas de trancar cordeiros no cruzamento com o Ile de France? Veja no vídeo muito mais informação sobre a raça.

O vídeo foi realizado em parceria com a ABCIF – Associação Brasileira de Criadores de Ile de France.

Nas próximas semanas, publicaremos os outros vídeos, onde falaremos sobre a descoberta do gene Vacaria, ligado a prolificidade e um pouco mais sobre o que a ABCIF está fazendo pela raça e pelos associados. Acompanhe!

Raça Ile de France – saiba como escolher uma boa ovelha

No segundo vídeo da série Raças no Brasil – Ile de France, saiba quais as características são importantes para a seleção de boas fêmeas. Com essas dicas, também fica mais fácil na hora de comprar animais bons e com boas características produtivas da raça, gerando mais ganho para a criação. E sabe como essa raça foi trazida para o Brasil, há mais de 40 anos? Confere no vídeo…

O vídeo foi realizado em parceria com a ABCIF – Associação Brasileira de Criadores de Ile de France.

Nas próximas semanas, publicaremos os outros vídeos, onde falaremos sobre os carneiros e o que é importante na escolha de um bom reprodutor, a característica da raça que é de produzir cordeiros em diferentes épocas do ano e um pouco mais sobre o que a ABCIF está fazendo pela raça e pelos associados. Acompanhe!

Calendário de atividades anual do rebanho – monte o da sua propriedade

Consegue lembrar de todas as atividades que precisam ser realizadas com o rebanho ou acaba esquecendo algo? Para ajudar no dia a dia da criação é importante termos um calendário anual de atividades, para lembrar de cada etapa importante da produção e quando deve ser realizada.

Com as atividades básicas planejadas, mês a mês, fica mais fácil gerenciar a criação e não corremos o risco de esquecer algo importante, como uma vacina, por exemplo.

Temos aqui exemplo de 3 calendários: geral (pode ser usado para ovinos e caprinos), um para ovinos e outro para caprinos. A diferença é mínima, mas fica a critério de cada um analisar o que melhor se enquadra na sua criação. Eles podem ser baixados e usados na sua propriedade. Esperamos que gostem!

Calendário OVINOS

 

Calendário CAPRINOS

 

Calendário GERAL

Você sabe o que significa a tatuagem de registro nos ovinos?

No Brasil, o registro genealógico de ovinos é responsabilidade da ARCO – Associação Brasileira de Criadores de Ovinos, homologada pelo MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Para identificar os animais registrados é utilizada a tatuagem nas orelhas. Cada categoria de registro (PO / RGB / SO / RD ou CG) tem uma regra. Entenda qual a tatuagem utilizada em cada caso.

Os animais registrados além de números de identificação da cabanha e do próprio animal, levam ainda símbolos para identificar qual a categoria de registro. Um animal que não tem esse símbolo, que é exclusivo dos técnicos da ARCO, certamente não tem registro. Isso serve para orientar na compra de animais, para não comprar gato por lebre…

Animais PO (Puro de Origem): recebem o símbolo ARCO

Animais PC (Puro por Cruzamento): recebem o símbolo RGB

Animais SO (Selecionados): recebem o símbolo SO

Animais RD (Raça Definida): recebem o símbolo RD

Animais CG (Geração Controlada): recebem o símbolo CG

 

 

Além dessas identificações, animais com genes de prolificidade, como o VACARIA no Ile de France e o BOOROLA no Texel e Corriedale, tem um sinete específico para animais que foram genotipados:

VACARIA: VV, VN ou NN

BOOROLA: BB, BN ou NN

 

Pode ter grama onde os animais dormem?

Em várias propriedades, em virtude de roubo ou ataque de cães ou outros predadores, o rebanho fica preso numa mangueira ou num cercado menor durante a noite. Apesar de proteger o rebanho por um lado, pode aumentar e muito a verminose, se alguns cuidados não forem tomados.

Como a verminose é transmitida através das fezes e a principal forma de contaminação é através da ingestão de pasto contaminado, quanto mais concentrado os animais ficarem, maior a contaminação de verminose no local. Um dos erros que encontramos frequentemente nesse sistema de dormirem na mangueira, por exemplo, é que muitas vezes o produtor cuida do controle da verminose no campo (faz rodízio de piquetes, por exemplo), mas os animais voltam toda noite para um mesmo local extremamente contaminado.

Apesar de normalmente ter pouco pasto / verde, em virtude da concentração e pisoteio, sempre tem um “verdinho” no meio, que graças à grande quantidade de esterco, sobrevive e cresce vigorosamente. Já imaginaram a contaminação de cada “graminha” dessas? É extremamente alta em virtude da grande quantidade de fezes.

Por isso devemos manter a área de repouso ou onde os animais dormem somente com terra ou com alguma cobertura seca (casca de arroz ou a própria palha, por exemplo). É importante não ter grama para os animais pastarem e se contaminarem, mas também é preciso ter alguma cobertura para que em épocas de chuva, não vire barro e ocorram problemas de casco. Senão, é cuidar de uma coisa e estragar outra 🙁

Como a quantidade de adubo (esterco) é muito grande, devemos manter o controle sobre a brotação. Ao menor sinal de rebrote, precisamos tomar uma atitude rapidamente.

 

 

 

Caindo a lã sem causa aparente? Pode ter sido uma febre…

 

Em animais com lã, que são esquilados (tosquiados/ tosados) a cada ano, a lã não cai espontaneamente, a não ser que tenha algum problema: piolho, sarna ou o animal, por algum motivo, teve “febre” (aumento da temperatura corporal) umas semanas antes.

Após algumas semanas da febre, é comum que a lã comece a cair. Não de uma vez só, vai cando e cada vez que o animal se coça ou se encosta em algo, vai deixando pedaços da lã.

Num primeiro momento, é preciso excluir que seja alguma parasitose, como piolho ou sarna. Se não “enxergar” nada de anormal, olhe mais de perto que é fácil identificar quando é apenas resultado de uma “febre” que já passou.

Na imagem abaixo, temos o ponto de ruptura da fibra: quando há o aumento da temperatura (“febre”), a lã sofre uma ruptura e, à medida que cresce, esse ponto de ruptura (enfraquecimento) vai ficando mais distante do couro e mais frágil, sendo arrancado com uma “coçada” numa cerca, por exemplo. Ao olharmos de perto, fica bem fácil ver que há lã crescendo junto ao couro do animal e uma linha bem fina que separa a lã nova da mecha de lã antiga. É exatamente esse o ponto de ruptura (enfraquecimento) que faz com que a lã se desprenda e caia.

 

Mas não se preocupe! Assim que a lã cair toda, a ovelha vai ficar com um lindo “casaquinho” novamente 🙂